Noticias

Pela primeira vez na história, as religiões se unem contra o tráfico de pessoas

   04/12/2014
Fonte: www.zenit.org   

   Entrevista com dom Sánchez Sorondo, chanceler da Academia Vaticana de Ciências Sociais

 


   Representantes das diversas religiões do planeta assinaram um compromisso nesta terça-feira, 2 de dezembro, no Vaticano: eles querem ajudar a erradicar o tráfico de pessoas, que abrange todas as formas de comércio de seres humanos para uso em trabalhos forçados, esquemas de prostituição e tráfico de órgãos. O prazo estabelecido para o cumprimento do objetivo é o ano de 2020.

 


   Após a cerimônia presidida pelo papa Francisco, ZENIT entrevistou o chanceler da Academia das Ciências Sociais, dom Sánchez Sorondo, que nos explicou alguns particulares importantes.

 


 

   ZENIT: O papa, na Turquia, convidou todos os líderes religiosos a denunciar as violações dos direitos humanos. O documento assinado hoje no Vaticano contra o tráfico de pessoas segue a mesma diretriz, correto?

   Dom Sánchez Sorondo: É a diretriz de Francisco, a diretriz que ele propôs desde o início à Academia das Ciências Sociais. Nós não fizemos outra coisa além de executar as ideias dele. Organizamos um encontro em novembro e os nossos acadêmicos destacaram que o tráfico de pessoas é um crime contra a humanidade.

 


 ZENIT: Não é a primeira vez que o Santo Padre faz esta denúncia...

   Dom Sánchez Sorondo: O papa já declarou isto cinco vezes e o papa emérito Bento XVI também tinha dito o mesmo antes da abdicação: o tráfico de pessoas é um crime contra a humanidade. É realmente inconcebível que, no mundo de hoje, que tem a consciência de que o homem e a mulher são iguais em dignidade, exista esse tipo de relação discriminatória. Achamos muito importante que todas as religiões que hoje têm influência no mundo adotem uma decisão em conjunto.

 


ZENIT: Todas as religiões...

   Dom Sánchez Sorondo: Sim, porque não se trata de um tema estritamente religioso, mas de uma afirmação sobre a identidade do homem e da mulher, e por isso eu acho que é importante. Acho que o conteúdo da mensagem é muito claro. Toda forma de escravidão e de tráfico humano, em termos de trabalho forçado, prostituição e tráfico de órgãos, é um crime contra a humanidade e é preciso que ele seja reconhecido como tal por todas as nações e por todos os organismos internacionais. E, claro, por todas as autoridades religiosas: o papa, o budismo, uma das religiões mais antigas, que é o hinduísmo, os judeus e os muçulmanos, com a sua religião que tem tantos seguidores.

 


ZENIT: É a primeira vez na história que os líderes religiosos se unem contra o tráfico de pessoas?

   Dom Sánchez Sorondo: Sim. É uma coisa nova. O Concílio Vaticano II criou conselhos para dialogar sobre temas religiosos com outros credos. Este documento foi aceito imediatamente, embora com algumas discussões, porque não tratava das diferenças religiosas propriamente, mas do ser humano, e nisto nós estamos todos de acordo, que tem algo de superior ao resto da natureza e, por isso, uma relação especial com Deus.

 


ZENIT: Ou seja, existe uma concordância inter-religiosa quanto à dignidade humana.

   Dom Sánchez Sorondo: O que nós podemos chamar de dignidade humana e de liberdade existe em todas as religiões. É uma condenação da escravidão por parte de todas as religiões. Foi também muito interessante a posição dos muçulmanos, que recordaram que “nós não vendemos tantos escravos”. Eles também podem ter isso, mas não desse jeito. É importante notar, além disso, que é a primeira vez que se reúnem os sunitas e os xiitas, o que é uma grande novidade.

 


ZENIT: O mesmo tema também foi abordado com delegações de jovens, algumas semanas atrás, não foi?

   Dom Sánchez Sorondo: Sim, e foi bem interessante, com 75 jovens de todo o mundo. Falamos do problema do comércio humano. Eram pessoas que tinham sofrido esse drama, uns mais, outros menos. Para ensinar a si mesmos as melhores práticas e evitar que aconteça o mesmo com outros, para convencer a própria geração. Eles se sentiram muito solidários nesta luta; mais ainda, são eles que estão mais de acordo com esta luta, porque conhecem melhor o mundo globalizado.

 Catedral Sagrado Coração de Jesus, Todos os Direitos Reservados. Copyright 2018
Desenvolvido por: NIVELDIGITAL